My Love Fics @ 00:14

Sex, 24/06/11


 

 

A Escolha

Personagens Principais

Isabella Swan: A Isabella detesta o seu primeiro nome por isso prefere que lhe chamem Bella. Tem 17 anos. Vive em Phoenix mas teve de se mudar para Atlanta uma cidade que nunca gostou… Mas como o seu ídolo favorito está lá a passar o seu Verão ficou um pouco feliz. Tem pele clara, cabelo de cor castanha e olhos castanhos. Os seus pais separaram-se quando ela tinha 10 anos por o pai lhe bater a ela e à mãe, e está ao cuidado da sua mãe, Renée. No entanto Renée não podia sair do país. O seu marido, Phil, está em prisão domiciliaria e não pode sair do país. 

Ela é quem vai narrar a história.

Será que vai conhecer o seu ídolo? E qual será o seu ídolo?

 

Justin Bieber: É um miúdo que se considera simpático e divertido. Diz que tem um corte altamente e é um pouco convencido. A sua alcunha é Jus. Tem 16 anos. Como castigo de a fama lhe estar a subir à cabeça a mãe, Pattie, vai com ele para Atlanta passar o Verão inteiro sem ser famoso, ser um miúdo normal.

Será que vai apaixonar-se por alguém este Verão?

 

Pattie: Pattie é a mãe do Jus. Como castigo de a fama estar a subir à cabeça do filho, Pattie, no Verão vai com ele para Atlanta.

Será que o castigo que a Pattie meteu ao filho surgirá enfeito?

 

Edward Cullen: Tem 1,85m é pálido e altamente musculado. Tem 17 anos… Ou será que tem muitos mais? Tem um segredo muito grave que se alguém descobrir e for contar a toda a gente o Mundo inteiro está em perigo. É “vegetariano”. A cor dos seus olhos é castanho caramelo. Os colegas de escola com quem já falou sem ser da sua família dizem que ele usa, por vezes, vocabulário do século XX.

Qual será o segredo que, Edward, esconde que é extremamente perigoso se alguém descobrir?

E a vida de Bella será a mesma quando conhecer Edward e o seu segredo?

 

Capitulo 1


Olá! Vou começar por me apresentar: sou a Isabella, mas por favor chamam-me Bella. Tenho 17 anos.

Neste momento estou a caminho de Atlanta e para ser sincera é uma cidade do qual eu nunca gostei… Estou habituada a calor, muito calor. Sou de Phoenix.

A viagem demora umas 3,4 horas, nem sei… Só sei que, neste momento, só falta 1 hora para o avião aterrar. Ouvi dizer que o meu ídolo, Justin Bieber, estaria no mesmo avião do que eu, mas acho que é mentira. Pelo que eu vi, quando estávamos ainda em Phoenix, não havia movimento nenhum rodeado uma pessoa. Ai e eu aqui com esperanças de o encontrar, que estúpida que sou.

Ainda não vos contei mas estou a ir para Atlanta sozinha. O meu padrasto não pode sair de casa pois está em prisão domiciliária, por um senhor qualquer fazer queixa na esquadra. Como a minha mãe está louca por ele, quis ficar com ele.

Eu vou dormir na casa de uma senhora, que a minha mãe pelo que diz, conhecia bem, uma tal Esme.

Estava a olhar pela janela quando uma mão toca-me no ombro.

- Olá! Sabes, és muito bonita. – disse-me um rapaz, que estava ao meu lado.

- Ah, obrigada. Acho. – respondi-lhe um pouco atrapalhada.

- Eu chamo-me Justin. E tu? – perguntou-me.

Pará o baile! Ele chama-se Justin e ainda por cima é muito simpático. Queres ver que ele é o Justin… Bieber?

- Eu chamo-me Bella. Tu por acaso não és… o Justin Bieber? – perguntei-lhe.

- Sim… Mas por favor não grites. Só por hoje já me chega de gritos. – No momento que ele disse “sim” eu tapei a boca com as mãos.

- Ai. Eu não acredito. Eu estou ao lado do meu ídolo…

- A sério?!

- Claro. Posso-te dar um abraço? – perguntei-lhe.

- Claro.

Ai, ele era tão querido.

Quando nos separamos do nosso abraço de segundos ele perguntou-me:

- Podemos trocar de números de telemóvel?

Ele não me está a perguntar isto. XD

- Claro.

Trocamos de número e começamos a conversar como uns verdadeiros tagarelas. Durante uma pequena hora estivemos a conversar.

* * *

De repente ouvimos uma voz feminina a falar: “ Senhores e senhoras façam favor de porem os cintos. Vamos aterrar.”

Obedeci. A minha mãe disse-me que a Esme e a sua família estariam à espera à saída do aeroporto.

Eu e o Justin saímos e fomos direitinhos buscar as nossas coisas. Por curiosidade olhei para a entrada do aeroporto.

Estavam centenas de fãs e alguns canais de televisão à espera do Jus.

- É sempre assim? Quando vais algum lado? – perguntei.

- Sim. Mas eu já estou habituado. Sabes como é… Com o tempo habituamo-nos. – respondeu. Ele tinha razão, não só nesta razão como nas outras.

Peguei nas minhas duas malas e virei-me na sua direcção.

- Bem, foi um prazer conhecer-te e trocar de números de telemóvel contigo. – começamo-nos a rir. – Até um dia destes. Se precisares de ajuda com alguma coisa já sabes para onde ligar!

- Obrigado, por tudo. Claro, eu telefono-te depois. – demos dois beijos na bochecha de cada lado e dirigi-me na direcção da saída.

Sai do aeroporto e uma família de sete membros dirigiu-se para o pé de mim.

Uma senhora uns centímetros mais alta do que eu apressou-se a falar:

- Olá! Eu sou a Esme. Vais ficar na minha casa, lembras-te? – perguntou-me gentilmente.

- Sim, lembrou-me. Obrigada por me deixar ficar em sua casa, Esme. – agradeci.

- Não tens de agradecer, querida. Será um prazer para todos.

Sorri em sinal de agradecimento.

- Bem vou-te apresentar a minha família, que será a tua família durante uns tempos. – fez uma pausa. – Este é o Carlisle, a Rosalie e o Emmett, o Jasper e a Alice e por fim o Edward. – quando dizia os nomes apontava o dedo para cada um.

- Olá – disse para cada um deles.

Olhei pela multidão e vi uma pessoa que não queria ver. Era o meu pai. Eu sei é meu pai, mas ele batia na minha mãe e em mim.

Ele sorriu para mim com ar… não sei explicar.

Deixei as malas cair das minhas mãos.

- O que passa, querida? – perguntou-me Esme – Estás-te a sentir-te bem?

- Levem-me daqui rapidamente! Eu quero sair daqui! – estava quase a gritar.

- O Edward leva-te as malas. – Agarrou-me pelos ombros – Anda. No carro contas-me o que aconteceu esta bem? Não te preocupes só vou estar lá eu, tu e o Carlisle.

- Sim… - já estava a tremer. O Jus felizmente já tinha se ido embora. Não queria que ele me visse assim.

Entramos no carro. A Esme ia à frente com Carlisle e eu ia atrás.

Quando já estávamos fora do aeroporto, Esme virou-se para trás e pediu-me:

- Podes contar porque que ficas-te com aquela reacção no aeroporto, querida?

- Sim – respirei fundo. – A minha mãe separou-se do meu pai quando eu tinha 10 anos. Antes da separação, aquilo lá em casa era um inferno. O meu pai batia na minha mãe e quando eu tentava a defender ele batia em mim, mas com muito mais força. Por vezes até era com o cinto ou com uma colher de pau. – respirei fundo e tentei ao máximo conter as lágrimas, mas em vão – Depois quando se separaram, foi um alivio total para mim. Mas o meu pai nunca me deixou em paz. Não sei como mas quando eu ia a algum lado, sozinha, o meu pai vinha atrás, e para se vingar… batia-me. Quando olhei na direcção da entrada do aeroporto viu-o. Foi por isso que eu tive aquela reacção… Desculpe.

- Oh, querida… A tua mãe disse-me para ter cuidado mas eu esqueci-me completamente… Desculpa. – pediu.

- Não faz mal. O mal disto tudo é que eu queria que ele pagasse por tudo o que fez a mim e à minha mãe… Desculpe dizer isto mas se ele morresse até ficava feliz, aliviada sabe?

- Sim… Tu e a tua mãe não mereciam isto… Vocês são uma paz de pessoas! – disse-me

- Esme, se eu ficar distante durante estes próximos dias com a sua família não se preocupe… Eu sou mesmo assim!

- Esta bem, querida. Mas quero que saibas que eu e a minha família vamos estar ao vosso lado.

- Obrigada pelo apoio.

- De nada, querida.

De repente o carro parou. Já tínhamos chegado a casa.

- Já chegamos, Bella. – disse-me Carlisle, dirigido se, pela primeira vez, a mim.

Sai do carro e fui buscar as minhas malas.

Lá entrei na casa dos Cullens. Era enorme, o interior era mais bonito do que o exterior.

A Alice levou-me ao meu novo quarto era lindo. Não sei como descobriram a minha cor favorita, o roxo. Deve ter sido a minha mãe a dizer-lhes.

Arrumei as minhas coisas em menos de uma hora. Não estava com pachorra para estar a arrumar tudo na perfeição.

Fui tomar um banho para ver se parava de pensar no que acontecera no aeroporto.

Sai da casa de banho enrolada numa toalha, vesti um pijama qualquer e deitei-me a ver um pouco de televisão.

Quando estava quase a adormecer ouvi o meu telemóvel tocar. Era o sinal de uma mensagem. Desbloqueei o telemóvel e vi de quem era a mensagem. Por sorte minha era do Jus.

“ De: Jus =D

   Mensagem: Olá! Gostei muito da nossa hora de conversa ;D foi muito interessante saber que tinha uma fã mesmo a meu lado =P Amanha vou aqui ao centro comercial para comprar umas sapatilhas, queres vir?

Bjs.”

Ai, que querido este rapaz me saiu. Em resposta escrevi:

“Mensagem: Eu também gostei da nossa hora de conversa =P Já devias de prever que podias ter uma SUPER fã tua ao teu lado meu totó ^^ Claro, porque não haveria de ir com o Justin Drew Bieber às compras? :P Mas afinal quantas sapatilhas tens? Deves ter mais de 200 não?

Bj”

Passado uns 4 minutos ele responde-me assim:

“De: Jus =D

  Mensagem: Não sei… Mas para ai umas 30 tenho :D Bem, então amanha estou na entrada do centro comercial às 15h à tua espera, ok? Agora tenho de ir =D tenho de ir ao mesmo centro de comercial dar uma secção de autógrafos :S mas não te preocupes só tenho este compromisso, depois tenho o Verão todo!

Bj até manhã”

Não escrevi nada em resposta. Estava demasiada cansada para mexer, se quer, um dedo.

Com o Jus nos meus pensamentos deixei-me adormecer.

 

Comentem =D